Revista de Odontologia da UNESP
https://www.revodontolunesp.com.br/article/doi/10.1590/S1807-25772013000400001
Revista de Odontologia da UNESP
Original Article

Informações da atenção secundária em Odontologia para avaliação dos modelos de atenção à saúde

Information from secondary care in dentistry for evaluation of models of health care

Bulgareli, Jaqueline Vilela; Faria, Eduardo Tanajura de; Ambrosano, Gláucia Maria Bovi; Vazquez, Fabiana de Lima; Cortellazzi, Karine Laura; Meneghim, Marcelo de Castro; Mialhe, F.L.; Pereira, Antonio Carlos

Downloads: 2
Views: 1082

Resumo

Introdução: Considerando-se o princípio da integralidade e a construção das redes de atenção no Sistema Único de Saúde, a atenção secundária pode refletir a resolutividade da atenção básica, apoiando a organização das ações e dos serviços de saúde bucal no âmbito da média complexidade. Objetivo: Avaliar os modelos de atenção básica em saúde bucal existentes no município de Marília-SP por meio de informações referentes à atenção secundária em Odontologia, segundo o princípio da integralidade. Metodologia: Trata-se de um estudo retrospectivo, com uma amostra composta por seis Unidades Básicas de Saúde (UBS), caracterizadas pelo modelo tradicional de atenção, e 11 Unidades de Saúde da Família (USF), que trabalham na perspectiva do modelo Saúde da Família. Os dados secundários foram coletados no Departamento de Avaliação, Controle e Auditoria municipal, que informou a quantidade de encaminhamentos agendados para as especialidades, e no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO), que apontou o número de pacientes faltosos na consulta inicial e o número de pacientes que abandonaram o tratamento especializado. O Departamento da Coordenação de Saúde Bucal relatou a demanda reprimida da especialidade Endodontia. Considerou-se o período de funcionamento do CEO de 2007 a 2009. Realizou-se análise exploratória dos dados e, a seguir, foi aplicado o teste t de Student e o teste de Mann Whitney. Resultado: O maior número de encaminhamentos para Endodontia foi proveniente das USF. O percentual de faltas em consulta inicial, abandono de tratamento e resolutividade na especialidade não demonstrou diferença estatística em relação ao modelo organizacional da atenção primária. Conclusão: Concluiu-se que, independentemente do modelo organizacional (UBS-/-USF), os resultados referentes à atenção secundária em Odontologia, em Marília, são semelhantes, exceto para indicação de tratamento endodôntico, podendo sugerir, em estudos futuros, a análise de outras variáveis relacionadas, principalmente referentes ao usuário.

Palavras-chave

Avaliação de serviços de saúde, saúde bucal, atenção secundária à saúde, atenção primária à saúde

Abstract

Introduction: secondary care may reflect the care-solving capacity of primary care, considering the principle of integrality and the construction of health care networks in the Unique System of Heatlh (USH), supporting the organization of activities and oral health services in the context of medium complexity. Objective: to evaluate models of primary care in oral health in the municipality of Marilia / SP using information related to secondary care in dentistry, according to the principle of integrity. Methodology: This is a retrospective study with a randomly selected sample of 6 Basic Health Units (BHU), characterized by the traditional model of care, and 11 Family Health Units (FHU) working with the perspective of the Family Health Model. Secondary data were collected in two places: a) Department of Evaluation, Control and Auditing, which reported the number of referrals scheduled for specialties, and b) Center for Dental Specialties (CDS) that pointed out the number of missing patients in the initial consultation and the number of patients who abandoned specialized treatment. The Department of Oral Health Coordination reported unmet demand specialty endodontics. CDS operation from 2007 to 2009 was considered for collecting data. We conducted exploratory data analysis, and Student t and Mann-Whitney tests were performed. Result: The highest number of referrals for endodontics was coming from BHU. The percentage of absense in the initial consultation, treatment dropout and care-solving capacity in the specialty showed no statistical difference in relation to the organizational model of primary care. Conclusion: We conclude that results from both organizational models are similar, except for endodontic indication for endodontic treatment, suggesting future studies, analysis of other variables mainly related to the user.

Keywords

Health services evaluation, oral health, secondary health care, primary health care

References

 


1. Calado GS. A inserção de equipe de saúde bucal no programa de saúde da família: principais avanços e desafios [tese]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Osvaldo Cruz; 2002.

2. Brasil. Conselho Nacional dos Secretários de Saúde. Atenção primária e promoção da Saúde. Brasília: CONASS; 2007.

3. Leyvia-Flores R, Ervit-Erice J, Kageyama-Escobar ML, Arredondo A. Prescriptión, acesso y gasto em medicamentos entre usuarios de servicios de salud en Mexico. Salud Pública Méx. 1998; 40(1):24-31.

4. Starfield B. IS US health really the Best in the world. J Am Med Assoc. 2000; 284(4):483-5. http://dx.doi.org/10.1001/jama.284.4.483

5. Cardoso ACC, Santos Júnior RQ, Souza LEP, Barbosa MBCB. Inserção de equipe de saúde bucal no PSF, um desafio para a melhoria da qualidade de atenção à saúde. Rev Baiana de Saúde Pública. 2002 dez/jan; 26 (1/2): 94-8.

6. Brasil. Ministério da Saúde. Estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção básica à saúde bucal prestada nos municípios por meio do Programa de Saúde da Família. Portaria n. 1.444, de 28 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União 2000; 2000 dez 29. Seção 1, p. 85.

7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. Brasília; 2004.

8. Junqueira SR, Frias AC, Zilbovicius C. Saúde bucal coletiva: quadros social, epidemiológico e político. In: Rode SM, Nunes SG. Atualização clínica em odontologia. São Paulo: Artes Médicas; 2004. p. 591-604.

9. Brasil. Ministério da Saúde. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Portaria n. 648 de 28 de março de 2006. Diário Oficial da União 2006; 2006 mar 29. Seção 1, p.71.

10. Silva KL, Sena RR. Integralidade do cuidado na saúde: indicações a partir da formação do enfermeiro. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(1):48-56. PMid:18450147. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342008000100007

11. Narvai PC. Jornal do Site Odonto. Saúde bucal no PSF: SUS ou SUSF? [citado em 2009 Maio 27]. Disponível em: http://www.jornaldosite.com.br/arquivo/anteriores/capel/capel8.htm

12. Botazzo C, Oliveira MA. Atenção Básica no Sistema Único de Saúde: abordagem interdisciplinar para os serviços de saúde bucal. São Paulo: Páginas & Letras Editora e Gráfica; 2008 [citado em 2009 Maio 28]. Disponível em http://www.isaude.sp.gov.br/smartsitephp/meida/saude/file/IS-abre.pdf

13. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [citado em 2013 julho]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/xtras/perfil.php?codmun=353870&search=sao-paulo|piracicaba

14. Nickel DA, Lima FG, Silva BB. Modelos assistenciais em saúde bucal no Brasil. Cad Saúde Pública. 2008 Fev; 24(2):241-6. PMid:18278270. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000200002

15. Almeida NS, Araújo MVA, Araújo IC. Atendimento odontológico no SUS: manual para o cirurgião-dentista. Medcenter.com Odontologia [citado em 2009 Maio 28]. Disponível em: http://dtr2004.saude.gov.br/dab/documento/inforrmes/psfinfo9.pdf

16. Souza MC, Araújo TM, Reis Júnior WM, Souza JN, Vilela B, Franc TB. Integralidade na atenção à saúde: um olhar daEquipe de Saúde da Família sobre a fisioterapia. O Mundo da Saúde. 2012; 36(3):452-60.

17. Carvalho DQ, Ely HC, Paviani LS, Corrêa PEB. A dinâmica da equipe de saúde bucal no Programa Saúde da Família. Boletim da Saúde. 2004; 18(1): 175-84.

18. Mendes EV. Uma agenda para a saúde. São Paulo: Huntec; 1999.

19. Morosini MVGC, Corbo ADA, organizadores. Modelos de atenção e a saúde da família. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz; 2007. p. 27-41 [citado em 2011 Jan 20]. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/index.php?Area=Material&MNU=&Tipo=1&Num=26.

20. Franco T, Merhy E. PSF: contradições e novos desafios. Conferencia Nacional de Saúde On-line; 1999 [citado em 2010 Fev 3]. Disponível em: http://www.datasus.gov.br/cns/cns.htm

21. Brasil. Ministério da Saúde. Painel de Indicadores do SUS 4. Temático Saúde da Família. Ministério da Saúde - Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2008.

22. Rocha CR, Bercht, SB. Estudo do abandono do tratamento odontológico de um serviço público de Porto Alegre: o Centro de Saúde Murialdo. Rev Fac Odontol Porto Alegre. 2000; 42 (2): 25-31.

23. Chaves SCL, Cruz DN, Barros SG, Figueiredo AL. Avaliação da oferta e utilização de especialidade odontológica em serviços públicos de atenção secundária na Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011; 27(1): 143-54. PMid:21340113. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000100015

24. Vazquez FL, Referência e contra-referência na atenção secundária em odontologia na cidade de Campinas, SP, Brasil [dissertação]. Piracicaba: Faculdade de Odontologia da UNICAMP; 2011.

 

588019577f8c9d0a098b50df rou Articles
Links & Downloads

Rev. odontol. UNESP

Share this page
Page Sections